13 de ago de 2012

London Olympics - Assistindo nos EUA



Fonte: Google


Assistir as Olimpíadas nos EUA foi:

 
1. Acompanhar o Facebook para ter resultados AO VIVO;

2. Ter que gravar a faixa de horário nobre da NBC todos os dias para não ser obrigada a assistir todos os 789544 comerciais a cada 4 minutos de transmissão (já editadas!);

3. Ficar surpresa com a quantidade de choro e descontentamento dos atletas norte-americanos que ganhavam prata. Gente, cadê o espírito de competição desse povo? Aqui é assim: "If You're Not First you're Last".

4. Aprender a ignorar os comentaristas da NBC e suas observações mais que boçais, desnecessárias e ignorantes a diversidade cultural de um evento dessa magnitude. Nunca mais vou reclamar do Galvão!

5. Ficar perplexa quando omitiam a colocação do quarto lugar para encaixar o norte-americano que chegou em sexto lugar e perdeu a medalha;

6. Ter que entender que eu só iria assistir o Brasil competir se tivesse algum norte-americano envolvido no esporte com chance de medalha;

7. Testemunhar que todo ouro por aqui tem mais gosto de “eu já sabia” do que de superação;

8. Reparar que aqui o povo está mais preocupado com os EUA passarem a China no quadro de medalha que qualquer outra coisa;

9. Ir ao supermercado e reparar que vários produtos fazem uma serie especial de rótulos em referencia as olimpíadas. Será que as donas de casa compram mais sabão assim?

10. Ficar orgulhosa toda vez que um comentarista reparava no entusiasmo e animação da torcida brasileira, “ imagina na Copa”!

2 comentários:

  1. Ué, você não sabia?! "Second place is first loser!" Ou pelo menos assim que acho que muitos americanos pensam... Também fiquei surpresa com essa atitude. Eu sou do tipo "ALL Olympians are winners!" Porém, faço questão de torcer com tudo para os competidores de países subdesenvolvidos. (Já imaginou como deve ser difícil virar atleta olímpico na Eritrea ou em Uganda?!) Não vou desvalorizar o esforço e dedicação do Michael Phelps (por mais arrogante e besta que ele seja, na minha opinião!) mas ele teve a sorte de nascer em um país com toda a infraestrutura para competir, e infelizmente, essa sorte não é distribuida de forma egalitária no mundo, né?
    Mas em geral, eu acabo torcendo para todos os atletas, principalmente os que competem individualmente, e fico MORRENDO de pena quando eles não conseguem se sair bem. Fiquei morrendo de pena da McKayla, quase chorei junto!
    O que mais me incomodou dessas Olimpíadas foi o seguinte: 1) o broadcast com time delay da NBC. Se fossem 12 horas de fuso, ainda vai. Mas Londres é só 5 horas na frente de NY. Custa mostrar ao vivo?! e 2) os comentaristas da NBC! Um bando de ignorante, narcissista e sem respeito pelo próximo! Já na abertura eu comecei a ficar p***, quando, no desfile das nações o comentarista falava comentarista da NBC falava “Most of these countries will go home without a gold medal. In fact, many of them have never even won a gold medal at the Olympics,” meio que “putting them down,” sabe?! Para mim, eles esqueceram a razão das Olimpíadas: o que importa é estar lá, presenciar e competir. Como já dizia Coubertin, o pai das Olimpíadas, "The most important thing in the Olympic Games is not to win but to take part, just as the most important thing in life is not the triumph but the struggle."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Helen, não assistir ao vivo e ainda ter que ouvir a ignorância dos comentaristas foi de doer. Não sei se você viu a narração da vitoria do Zanetti nas argolas, mas para mim foi a gota d'água. O comentarista já dava como oficial o ouro para o chinês durante a apresentação do Zanetti. Quando o brasileiro ganhou ficou todo mundo com a maior cara de surpresa. E é claro que a NBC fez questão de focalizar no replay da reação de cada um dos medalhistas, técnicos e até das ginastas americanas para tirar o credito da vitoria brasileira. Um absurdo.

      Excluir